Para que a escola seja a segunda casa, a casa deve ser a primeira escolaLeitura de 4 minutos

Família na escola 11 de junho de 2018
que filhos queremos deixar para o mundo

author:

Para que a escola seja a segunda casa, a casa deve ser a primeira escolaLeitura de 4 minutos


Neste artigo, Murilo Gun divide com você um tema que vem forte já no título, “Para que a escola seja a segunda casa, a casa deve ser a primeira escola”. As crianças aprendem o tempo todo, através do ensino sim mas, principalmente, com exemplos. Boa leitura!


A coisa mais importante que você precisa saber sobre educação é: as palavras ensinam, mas os exemplos arrastam.


Pronto! É só isso que você precisa saber.


Na escola, nossos filhos passam várias horas por dia aprendendo principalmente (mas não exclusivamente) através do Ensino.


O “Ensino”, segundo a Wikipedia, é uma “forma sistemática de transmissão de conhecimento utilizada pelos humanos para instruir e educar seus semelhantes”.


Mas fora da escola as crianças continuam aprendendo, só que nesse caso estão aprendendo mais pelo Exemplo do que pelo Ensino.


Nós, pais e mães, algumas vezes paramos para educar via Ensino (transmissão de conhecimento de forma sistemática), mas 100% das vezes, mesmo sem a gente perceber e querer, estamos educando via Exemplo.


Você chega em casa todo dia reclamando do inferno que é o seu trabalho?

Você está educando que o trabalho é um lugar de desprazer.

Você perde a cabeça e grita no meio de uma discussão com sua esposa/marido?

Você está educando que perder a cabeça e gritar numa discussão é normal.

Você compra DVD pirata? Você está educando que alguns tipos de crimes são de boa.


Mesmo que a gente queira ensinar que determinada coisa é certa ou errada, isso só vai se sustentar se o exemplo que você dá for coerente o que foi dito.


Como diz o Ralph Waldo Emerson: “o que você faz fala tão alto que eu não consigo ouvir o que você diz”.


Por isso, dizem tanto que filhos nos fazem ser pessoas melhores. Precisamos ser cada vez melhores como seres humanos para poder dar exemplos melhores para os ser-humaninhos.


Ainda precisamos ajudar todas as pessoas ao nosso redor (vizinhos, irmãos, primos, tios, amigos, babás…) para serem melhores pessoas, afinal, a educação via exemplo vem de todo lugar.


Muita gente se questiona “Que mundo queremos deixar para os nossos filhos”, mas também precisamos nos questionar “Que filhos queremos deixar para o mundo?”


O mundo que nossos filhos vão encarar não vai ser construído por nós, mas sim por eles.


Eles vão viver 100 anos e nós temos apenas uns 20% desse tempo com eles sob nossa responsabilidade para prepará-los para os outros 80% que não temos nem ideia como será.


E aí, como faz?


Se não conhecemos como vai ser o mundo que eles vão encarar, o melhor que podemos fazer é ajudá-los a desenvolver habilidades “genéricas” que têm uma alta probabilidade de serem necessárias no futuro-que-não-temos-ideia-como-será: empatia, criatividade, coragem e resiliência.


Vem a grande pergunta:

Você é empático? Costuma sempre se colocar no lugar do outro?

Você é criativo? Costuma dar soluções fora do padrão para os seus problemas?

Você é corajoso? Costuma perceber seus medos e ir em frente, mesmo com medo?

Você é resiliente? Costumo se levantar firme após as frustrações?


Os filhos que queremos deixar para o mundo dependem dos exemplos que damos a cada segundo todos os dias.


Clique aqui se quiser aprofundar mais nesse assunto, dá uma olhada na minha série QUE FILHOS VOCÊ QUER DEIXAR PARA O MUNDO?


Inclusive o título deste artigo “Para que a escola seja a segunda casa, a casa deve ser a primeira escola” veio de um comentário feito lá na série. Fica a dica: vale a pena dar uma olhada nos comentários. E deixa o seu lá também. 😉


Pesquisas mostram que é baixa a participação dos pais comprometidos com o desempenho escolar dos filhos. Clique aqui e saiba como engajar os pais na escola e reverter esse quadro trazendo-os para perto da vida escolar dos alunos.


Por Murilo Gun – pai da Maria Valentina, marido da Dani, professor de criatividade, fundador da Keep Learning, ex-comediante stand-up e ex-cover do Wesley Safadão.

Baixe o ebook Geração Z: como se comunicar e engajar os nativos digitais
         
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *