Escola Construtivista: o que é e como funciona na prática?Leitura de 5 minutos

Gestão escolar 5 de outubro de 2020
Professora auxiliando alunas em sala de aula na escola construtivista

author:

Escola Construtivista: o que é e como funciona na prática?Leitura de 5 minutos

No momento de escolher a escola dos filhos, os responsáveis encontram diferentes modelos de ensino, como a escola construtivista e várias outras. Mas como saber que esse é o ideal para você?


Nos últimos anos, cada vez mais famílias procuram por metodologias que fogem do modelo tradicional. Para encontrar a melhor opção, é preciso buscar informações, pesquisar e entender como funciona. 


O construtivismo é uma das principais propostas da educação básica e uma ótima alternativa para quem procura ensino não-convencional. Mas você sabe o que isso realmente significa? 



O que você vai encontrar neste artigo?


O que é uma escola construtivista?


Como funciona uma escola construtivista?

Família e escola construtivista


O que é uma escola construtivista?


Como o nome já sugere, a base da escola construtivista considera que existe uma construção do conhecimento. Para isso, a escola deve criar métodos de ensino que estimulem essa aprendizagem. 


O conceito surgiu no século XX a partir do conceito dos filósofos Jean Piaget e Lev Vytgovsky, baseado na premissa de que o conhecimento deve ser construído na interação do aluno com o meio em que ele vive e o processo educativo acontece a partir de diferentes etapas. 


Teoria de Vygotsky: como os alunos aprendem?


Assim, o construtivismo acredita que o aprendizado é construído na parceria entre aluno, professor e escola. Existe um equilíbrio entre essa interação, o tempo e o espaço da sala de aula. 


O professor age como um mediador, proporcionando situações e atividades interativas para o estudante construir o seu protagonismo na aprendizagem. Dessa forma, o conhecimento acontece de dentro para fora. 


Como funciona uma escola construtivista?


Agora que você entende melhor sobre o método construtivista, falta saber como funciona a escola na prática. Pense em como funciona o modelo tradicional de ensino, em que o professor é a figura central e o aluno absorve novos conhecimentos sem muito espaço para questionamento.


Já na escola construtivista, o professor é um mediador e o estudante pode formular as suas próprias hipóteses. Eles precisam aprender a resolver problemas sozinhos e todas as perguntas são valorizadas.


Conheça os diferentes tipos de escola e linhas pedagógicas


Confira mais características da escola construtivista:


Interação entre aluno e professor


O educador deve usar diferentes recursos e materiais para buscar entender o ponto de vista dos alunos. Ele deve motivar as interações dos estudantes com o ambiente para construir o aprendizado.


Além disso, é preciso entender que cada aluno sem o seu processo e o seu ritmo, respeitando a individualidade e criando várias propostas para apresentar o mesmo conteúdo. 



Sala menor e em círculo


Na escola construtivista, o ambiente deve estimular o desenvolvimento social, intelectual e criativo do aluno. Por isso, a disposição das salas de aula também é diferente. A ideia de que o professor não é o centro do conhecimento também reflete no ambiente, por isso, ao invés de carteiras viradas para a lousa, os alunos ficam em círculo para estimular a interação. 


Outra característica é que as salas devem ter menos alunos. Dessa forma, o professor consegue acompanhar de perto cada aluno para entender quais são as suas dificuldades e necessidades. 


Ensino personalizado: metodologias para tornar o aprendizado mais dinâmico e interativo


Métodos de avaliação


As avaliações da escola construtivista não costumam ser as provas e testes que encontramos no ensino tradicional. Ao invés disso, são priorizadas avaliações diagnósticas que mostram de forma mais específica como cada aluno está aprendendo e quais são os pontos de atenção no aprendizado.


Avaliação diagnóstica: como fazer e qual sua importância?


Assim, entende-se que não faz sentido utilizar o meio convencional, já que o professor deve acompanhar a evolução dos alunos de forma contínua. Mas, existem algumas escolas que utilizam os dois meios de avaliação para se aproximar mais do modelo dominante brasileiro. 


Família e escola construtivista


Apesar de muitas famílias preferirem a escola construtivista, muitos também se preocupam que os filhos tirem boas notas, tenham aquisição do conhecimento para entrar em uma boa universidade e no mercado de trabalho.


Mesmo não focando nas notas, a escola também proporciona todas as oportunidades para os alunos se tornarem pessoas de sucesso. Mas, é preciso entender que os métodos são diferentes e é necessário levar a autonomia e senso crítico também para dentro de casa. 


A escola construtivista costuma ser bastante próxima das famílias, criando ações e espaços abertos para conversar e engajar. Por isso, na hora de escolher o colégio, os responsáveis devem pesquisar, visitar, tirar dúvidas, conhecer os gestores, professores e pais de alunos para se sentirem confortáveis. 


Captação de alunos: como ser a escola escolhida pelas famílias


Será que a escola construtivista é para mim?


Para responder a essa pergunta, é preciso conhecer a família, aluno e escola. Antes de tudo, tenha em mente que a escola construtivista é bastante diferente da tradicional, e por isso é preciso conhecê-la bem. 


Os responsáveis devem pesquisar bem para ter a segurança de que essa é a educação ideal para seus filhos. Portanto, é preciso acreditar na proposta de ensino e estar disposto a caminhar junto da escola para proporcionar a melhor jornada educacional para os alunos. 


Fontes:


Educa+ Brasil

Escola Inteligência


         
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *