Orientação profissional como ferramenta de gestão socioemocional

Leitura de 6 minutos
Por Gilber Machado – CEO do KUAU, startup especializada em Geração Z e Projeto de Vida que tem o propósito de inspirar uma nova geração a realizar os seus sonhos.

 

Neste artigo, vamos discutir o papel da Orientação Profissional na gestão socioemocional dos alunos no Ensino Médio.

 

Os casos recentes envolvendo o suicídio de estudantes de Ensino Médio deixaram em alerta educadores e famílias, e colocaram ainda mais em evidência o grande mal que aflige atualmente os jovens e adolescentes: extrema ansiedade, que leva a depressão, que leva ao suicídio.

 

É preciso compreender as características dessa nova geração, principalmente os fatores que os tornam tão frágeis emocionalmente. Em artigo recente, escrevi sobre a Crise de Saúde Mental da Geração Z, oferecendo uma visão geral desse desafio para as escolas de Ensino Médio. Neste artigo, vamos discutir o papel da Orientação Profissional na gestão socioemocional dos alunos no Ensino Médio.

 

O drama da escolha da profissão

 

A escolha profissional é uma decisão complexa que atormenta a vida do estudante, principalmente ao final do Ensino Médio. Essa decisão ganha ainda mais criticidade por ser uma das primeiras escolhas de maior relevância em sua vida até então.

 

Nessa situação, a escolha da profissão coincide com a fase da adolescência, momento em que o estudante ainda está definindo sua identidade. Em meio a esse momento de descobertas, incertezas e receios, cabe a ele escolher uma profissão. E o adolescente realiza essa escolha, na maioria dos casos, sem ter muitas informações sobre a profissão que está escolhendo, e principalmente, diante da influência dos amigos e da família.

 

E a percepção entre os educadores é que a família está cada vez mais influenciando essa escolha. Em nome da garantia de sucesso numa profissão consagrada, muitos pais estão pressionam ou impondo a seus filhos um projeto de vida que não tem relação nenhuma com as expectativas, habilidades ou interesses desses jovens.

 

A escola precisa repensar as necessidades dos seus alunos. Existe um esforço concentrado para preparar os jovens para uma jornada exaustiva em busca de um espaço privilegiado numa ótima faculdade, mas sem ao menos ter certeza do que esse jovem espera disso.

 

Quanto tempo a escola está se dedicando a proporcionar momentos de reflexão sobre o projeto de vida do seus alunos? Será que estamos ajudando essa geração a compreender o seu papel hoje e no futuro? Uma pesquisa realizada pela startup Kuau mostra que um aluno no último ano do Ensino Médio estuda entre duas a três mil horas em média para ter um bom resultado no Enem, mas para fazer a escolha da profissão se dedica menos de cinco horas em média. Ou seja, muito esforço para ingressar na faculdade, mas sem nenhuma preparação para ter certeza dessa escolha.

 

Essa lógica precisa mudar! Somente 8% dos jovens no Brasil tem acesso a Orientação Profissional. 40% dos jovens no dia da prova do Enem não sabiam que curso escolher. 1 em cada 2 jovens não termina o curso que começou na faculdade. É irracional exigir tanta performance para ingressar na faculdade, sem entender o quanto isso faz sentido na vida desse jovem.

 

As escolas utilizam instrumentos de avaliação dos alunos, como trabalhos e provas, para acompanhar o desempenho nas disciplinas. Agora, a escola deve também avaliar o grau de engajamento desses alunos em relação à escolha da profissão, inclusive descobrindo o quanto cada aluno conhece sobre a profissão e curso que deseja fazer.

 

A escolha da profissão a partir de um método estruturado oferece ao aluno incentivo para melhorar o seu desempenho nos estudos. O aluno que tem clareza em relação a sua escolha tem mais dedicação na preparação para o Enem e Vestibulares.

 

Além disso, identificar os alunos que possuem bloqueio ou dificuldade em relação a essa escolha é um caminho para diagnosticar problemas socioemocionais e servem como ponto de partida para investigar potenciais casos de depressão profunda. A ausência de perspectiva de futuro é um preditivo para o suicídio, e isso pode ser investigado através do trabalho de Orientação Profissional na Escola, principalmente no momento tão intenso como na 3ª série do Ensino Médio.

 

Por isso, nossa sugestão é que as escolas incluam a Orientação Profissional como uma ferramenta de gestão emocional dos estudantes no Ensino Médio.
 



 

Oficina sobre Orientação Profissional na Escola

 

Com o objetivo de trocar experiências e aprender mais sobre como enfrentar esse desafio da gestão emocional dos alunos no Ensino Médio, escolas da Capital Paulista se reúnem no dia 07 de Junho, na FIAP School, para uma oficina sobre as práticas de Orientação Profissional e Projeto de Vida no Ensino Médio.

 

A oficina tem como proposta avaliar o perfil do jovem de ensino médio através da criação do Mapa de Empatia considerando 3 personas em relação a escolha da profissão: perdidos, em dúvida e decididos. A ideia é compreender o “O que sentem e pensam? O que fazem? Quais são suas dores e suas necessidades?” para então refletir sobre o papel da Orientação Profissional como ferramenta para auxiliar na gestão socioemocional desses alunos.

 

O encontro vai contar com a presença de especialistas do KUAU, uma startup de educação especializada em Geração Z e Projeto de Vida. A empresa criou uma metodologia única no mundo para a escolha da profissão e oferece as escolas uma Plataforma de Orientação Profissional especializado no Ensino Médio.

 

Durante o encontro também será apresentada uma pesquisa realizada pela Future Education sobre as práticas das escolas de Ensino Médio de São Paulo sobre Orientação Profissional.  

 

O encontro é gratuito e o público alvo são escolas de ensino médio que desejam aprofundar o seu conhecimento sobre Orientação Profissional e Projeto de Vida no Ensino Médio.

 

Oficina sobre Geração Z e Orientação Profissional

07 de Junho de 14h às 18h

Local: FIAP School (Bairro da Aclimação – São Paulo-SP).

Inscrições gratuitas para a Oficina: http://bit.ly/KuauGeracaoZ

 

Se sua escola quer conhecer mais ou testar a plataforma do KUAU, acesse aqui: Orientação Profissional na Escola.  

 

 

Clique aqui e saiba “Como estimular a participação dos jovens na escola”

 

 

Veja mais!

Autismo, escola e pais: como unir forças para realizar a inclusão?
178
Por Luciana Brites Psicopedagoga e psicomotricista, fundadora do Instituto Neurosaber   Falar sobre inclusão escolar é sempre um desafio par...
O papel do Orientador Educacional nas escolas
2018
04 de dezembro é comemorado o dia do Orientador Educacional, mas o que é e o que faz esse profissional? Conheça um pouco mais sobre a jornada desse im...
A influência positiva da família na vida escolar das crianças
161
Por Yuska Garcia, psicóloga e mestra em Educação.   Nossa parceira Yuska Garcia, compartilha sua visão sobre a importância da parceria entre ...