Considerações na hora de elaborar e aplicar as avaliações

Avaliações escolares
Leitura de 3 minutos

Muitas alunos enfrentam as avaliações escolares como uma ameaça, problema. De acordo com dados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) divulgados em abril, 56% dos alunos brasileiros dizem ficar estressados quando estudam para uma prova. A ansiedade é tanta que pode afetar a sua forma de estudar e seu desempenho, ocasionando também problemas de memória.

 

Já falamos aqui como elaborar avaliações escolares que ajudam na aprendizagem e vimos que o objetivo principal das avaliações é fazer com que os alunos avancem em seu processo de aprendizagem e os professores possam aprimorar seu planejamento e seu trabalho em sala de aula. As avaliações mais importantes são as que orientam o ensino, integradas ao processo de aprendizagem, e não simples provas periódicas.

 

Mas o que se deve levar em consideração na hora de elaborar uma prova? O que abordar na avaliação para que não se torne um tormento para os alunos? Por isso, alguns aspectos precisam de atenção antes, durante e depois da elaboração e aplicação das avaliações.  

 

Confira algumas dicas:

–  As questões devem ser elaboradas com clareza, indicando objetivamente as respostas que se quer dos alunos;

–  O que deve ser cobrado deve ser exatamente o que foi trabalhado durante as aulas, por isso, no momento de indicar os objetivos da avaliação, tomo como base o caderno das crianças, o que de fato foi trabalhado;

–  As provas devem cobrir todos os aspectos trabalhados e não somente os mais difíceis;

–  Quem deve elaborar as avaliações são os próprios docentes, considerando o que e como foi ensinado;

–  Cuidar para que cada classe tenha sua própria avaliação, a não ser que o professor trabalhe de forma integrada;

–  A aplicação deve ser feita num clima bom com as crianças, sem pressionar, e não deve ser um ato de punição que vai fazer como um castigo;

–  Estudar com os professores os tipos de avaliação que poderão aplicar a suas crianças, e só será positiva quando propuser uma reflexão sobre os processos pedagógicos desenvolvidos e as aprendizagens garantidas;

–  Analisar os resultados das crianças, avaliar o tipo de questão que mais erraram e o que está por trás desse possível resultado;

–  Ter clareza que a prova tradicional pode ser aplicada,  mas que algumas condições precisam ser garantidas para atingir seu resultado;

–  Conversar com as crianças  sobre a avaliação , o tipo de questão que vai cair na prova é muito parecido com o que vivenciaram em sala de aula,  dá orientações individuais para aqueles alunos que manifestarem ansiedade antes da avaliação;

–  Se necessário, aplicar simulados muito próximos ao modelo de avaliação que será aplicado;

–  Realizar reuniões de pais para analisar o tipo de avaliação que foi aplicado e como foi realizado o trabalho anterior à avaliação;

–  Mandar um cronograma com antecedência para os pais acompanharem os conteúdos que serão cobrados na avaliação. É importante usar uma linguagem de fácil compreensão da família.

 

As avaliações devem ser vistas como recursos para aprender e ensinar melhor, nunca temidas, como ameaças ou sentenças, nem pelo aluno, nem pelos professores.

 

E você, como costuma elaborar e aplicar suas provas? Tem mais alguma dica que não citamos aqui? Deixe um comentário.

 

Fonte: Gestão escolar