Como a tecnologia pode auxiliar crianças com autismoLeitura de 4 minutos

Tendências em educação 26 de fevereiro de 2019

author:

Como a tecnologia pode auxiliar crianças com autismoLeitura de 4 minutos

A tecnologia e a educação infantil são grandes aliadas e podem significar um passo muito importante no progresso de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA). O uso de aplicativos, softwares e outros programas virtuais têm mostrado a sua eficácia a partir de vídeos, games e outras atrações que trazem o aspecto educacional para a vida dos pequenos. 

 

Em entrevista ao blog Família Plural, do jornal Estadão, o neuropediatra Clay Brites afirma a existência de pesquisas que mostram o papel das tecnologias neste contexto. Inclusive, doutor Clay salientou que a inclusão escolar de pessoas com autismo e a aprendizagem são possibilitadas graças aos recursos didáticos favorecidos por tais meios tecnológicos. 

 

Como as plataformas podem contribuir?

Hoje em dia existem empresas direcionadas com a finalidade de produzir conteúdos exclusivos para crianças que convivem com autismo. Portanto, os benefícios desses softwares são enormes, tendo em vista o objetivo central: auxiliar no desenvolvimento pedagógico e social dos pequenos. 

 

Sendo assim, esses programas são responsáveis por divulgar vídeos e outras atrações que ensinam coisas diversas, como escovar os dentes, tomar banho e realizar atividades que fazem parte do seu dia a dia. Além disso, há aqueles que são destinados ao complemento de questões direcionadas aos desafios escolares. 

 

Aplicativos que ajudam a desenvolver a comunicação

As tecnologias na educação infantil são excelentes para estimular a linguagem do pequeno. Não são poucos os casos de pessoas cujos filhos mostram desempenho considerável na fala em função dos vídeos e dos jogos feitos justamente para esse estímulo. 

 

Além disso, os apps ajudam na alfabetização e na interação social por meio de pequenas situações trazidas pelos softwares. Dessa forma, os pequenos podem treinar todas essas habilidades em casa e na escola. 

 

Abrindo possibilidades

O uso de softwares significa muito mais do que o desenvolvimento de habilidades ligadas à escola, o que já é algo excelente. No entanto, os benefícios são extensos, como explica Dr. Clay a seguir:

 

 “A tecnologia pode auxiliar no dia a dia por meio de softwares que ajudem quem tem autismo a conseguir cumprir tarefas sociais, entender linguagem não verbal, serem alfabetizados, aumentar a motivação ou interesse por atividades pedagógicas ou acadêmicas, internalizar rotinas e regras, auxiliar na percepção do tempo e do espaço, proteger de sons ou estímulos visuais indesejados, além de acalmar determinados jovens com autismo quando estes devem se dirigir a estabelecimentos comerciais ou momentos de lazer em família entretendo-os”.

 

Equilíbrio é a palavra certa

Se por um lado o uso das tecnologias na educação infantil simboliza progressos consideráveis na vida das crianças que convivem com autismo e outros transtornos; por outro, pais e responsáveis devem saber que a cautela também deve imperar.

 

Afinal, não adianta deixar um tablet nas mãos do pequeno e simplesmente deixá-lo o dia inteiro por conta. É preciso balancear o uso de aplicativos com atividades que exigem mais presença física e contato com outras pessoas. Caso contrário, seu filho jamais alcançaria a socialização necessária para atingir os progressos desejados. 

 

Sendo assim, a sugestão é que os pais encontrem um ponto de equilíbrio entre a tecnologia dos apps e o convívio com o mundo exterior, com as situações e as descobertas por parte da criança. 

 

O diagnóstico precoce e a importância do desenvolvimento

Dr. Clay relembra como o diagnóstico precoce é fundamental para que “sejam realmente modificáveis os atrasos de desenvolvimento e os comportamentos altamente disruptivos e antissociais”. O especialista explica que quanto mais cedo, sobretudo próximo aos 3 anos de idade, mais eficazes podem ser as intervenções. 

 

“Somente em fase mais precoce de vida (antes dos 3 anos), com o cérebro infantil ainda em plena fase de plasticidade e flexibilidade de conexões e ramificações, é que é possível esperar avanços significativos às intervenções”, pondera Dr. Clay Brites.

 

A Neurosaber

Nós da Neurosaber somos um projeto que acredita na transformação de práticas profissionais e vivências familiares por meio do conhecimento. Já formamos mais de 10 mil profissionais e famílias, e trabalhamos todos os dias para levar conteúdo rico e com fundamentação científica para dentro de escolas, clínicas e casas. 

 

Não estamos nessa missão sozinhos. Por isso contamos com parcerias como a Agenda Edu para disseminar essa mensagem de transformação, e agregar ainda mais valor ao conhecimento científico. Você leitor, poderá conferir artigos escritos pela Neurosaber aqui na Agenda Edu e em nosso blog.

         
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *