A vida por trás da inteligência artificialLeitura de 3 minutos

Tendências em educação 27 de junho de 2019
criança com óculos de realidade virtual

author:

A vida por trás da inteligência artificialLeitura de 3 minutos

Já parou pra pensar como a Alexa aprende? Para quem não sabe, Alexa é o nome da Atendente Artificial da Amazon. Ou, em algum momento, te ocorreu como o Google Assistant é capaz de traduzir 26 idiomas? Pois é… Fique sabendo que por trás de toda a magia da inteligência artificial existe um batalhão de pessoas e especialistas dedicados em tempo integral a melhorar o sistema.

 

No caso do Google Assistant, por exemplo, uma grande equipe de linguistas atua classificando os dados para treinar o sistema. São profissionais, muitos deles até mal remunerados, que “treinam” os sistemas e que, por vezes, “são” os próprios sistemas.

 

No controle de conteúdos do Facebook, por exemplo, atuam milhares de cérebros humanos; para que a Alexa responda suas perguntas há uma equipe de transcritores espalhadas pelo mundo fazendo a mágica acontecer. São trabalhadores invisíveis que podem estar ensinando aqueles que serão seus próprios substitutos digitais.

 

O Trabalho fantasma da inteligência artificial

 

Mas o que significa trabalho fantasma? A definição desse termo envolve qualquer tipo de trabalho que possa ser, ao menos em parte, criado, programado, gerido, enviado e construído através de uma interface de programação, internet e até mesmo um pouco de inteligência artificial.

 

Segundo argumentam a antropóloga Mary Gray, e o cientista da computação Siddharth Suri, em seu novo livro, Ghost Work: How to Stop Silicon Valley from Building a New Global Underclass, a grande questão é até onde isso pode ir, pois estaríamos todos nós treinando as máquinas para se apropriarem do nosso próprio trabalho. Um trabalho que, na realidade, requer muita criatividade, conhecimento e julgamento.

 

Tornando-se visíveis

 

Muito do convencional em nossa economia estava relacionado a ter um emprego de escritório, e isso está prestes a desaparecer. Segundo Mary Gray, o que mais surpreendeu em seu livro é o número de pessoas com ensino superior que têm um emprego fantasma, pois o grande paradoxo dos serviços de informação sob demanda é que eles não podem ser facilmente automatizados. Qualquer trabalho que envolva atender às necessidades de outra pessoa requer um pouco de inteligência e atenção, o que nem sempre a inteligência artificial consegue suprir. Entretanto, não estamos sabendo como valorizar isso.

 

Leia também: O desafio e a importância de trabalhar soft skills nas escolas

 

Então devemos nos perguntar: “que benefícios as pessoas precisam para participar desse tipo de economia?” Além disso, para lidar nesse novo ambiente, essas pessoas precisam saber controlar três coisas: seu tempo, suas oportunidades e as possibilidades de contribuir com diferentes redes de colaboradores que lhes ensinarão coisas novas que podem se aplicar ao próximo projeto. Só assim elas se tornarão visíveis e, portanto, valorizadas.

 

Quer complementar suas aulas com tecnologia? Baixe grátis o nosso e-book!

 

 

Sobre o autor:

Marcelo Freitas é mentor em inovação educacional; Especialista em Gestão Estratégica e Capital Humano; CEO em EdTechs, escritor e palestrante.

         
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *