Aconteceu na Jornada Edu online: entrevista com Gustavo WigmanLeitura de 4 minutos

Agenda Edu 28 de maio de 2021
Print da Jornada Edu online com imagens do Jones Brandão e Gustavo Wigman

author:

Aconteceu na Jornada Edu online: entrevista com Gustavo WigmanLeitura de 4 minutos

Você perdeu a primeira Jornada Edu online do ano? Agora, ela tem um novo formato com 3 eventos de somente um dia, ao longo do ano, e uma grande jornada ao final. Na primeira estação, tivemos uma entrevista com Gustavo Wigman sobre ajustar o negócio escola para as mudanças do mercado.


Saiba mais sobre o novo formato da Jornada Edu online


Este momento fechou a trilha de Gente & Gestão e foi conduzido pelo Diretor de Educação da Agenda Edu, Jones Brandão. Se você não conseguiu acompanhar, não se preocupe! O evento está disponível na íntegra:



Você também pode conferir os principais momentos e anotar as dicas:


Quando a escola deve mudar?


Muitos gestores se depararam com o medo de propor grandes mudanças em um cenário de crise e incertezas. Mas, segundo Gustavo Wigman, ficar quieto e esperar a hora certa nunca é uma opção. 


“A preocupação em dar um salto está mais no planejamento do que na magnitude. Esse é um momento de repensar estratégia, posicionamento, a narrativa da escola e é um momento que pede movimento.”


Afinal, se você for esperar por um sinal de que tudo vai ficar bem, pode acabar ficando para trás diante do mercado educacional. 


“Fazendo uma analogia, a escola funciona como um avião. Ele decola e você não consegue mais encher a escola, até que depois você pousa e decola de novo, tem ciclos de decolagem. O que aconteceu na pandemia foi que alguns passageiros pularam de paraquedas e você se viu com um avião mais vazio e sem a chance de enchê-lo”, explica Gustavo.


Além disso, existe uma pressão grande das famílias para que as mudanças aconteçam, uma demanda para que a escola se atualize. Mas, é importante que essa mudança venha por parte da escola. Gustavo explica que é um risco deixar que as novidades sejam feitas por agentes externos, porque corre o risco de a escola ficar presa a uma narrativa que nem ela mesmo acredita.


Confira os melhores momentos da roda de conversa “Como manter sua equipe escolar aberta para mudanças e inovações”


Crie sua narrativa


Essa é a hora de arregaçar as mangas, mostrar o que a escola acredita e quer fazer, e negociar, pois a pandemia também trouxe as famílias para mais perto das escolas, criou um vínculo maior e essa é a chance de negociar as mudanças. 


“A narrativa, no mundo dos investimentos, é a história, a forma como você se vende, como se conecta com as famílias e alunos. Todo mundo que investe em educação busca alguma exclusividade, customização, individualização daquele ensino. Se você não tiver um discurso que se conecte com a família, você acaba fazendo mais do mesmo e perde a chance de se diferenciar. Isso impacta na retenção de alunos, na precificação da mensalidade, na adesão ao contraturno.”


O ensino híbrido no novo modelo de escola


É impossível falar de mudanças no negócio da escola sem falar de ensino híbrido. O modelo de aprendizagem que acontece de forma online e offline parece que chegou para ficar e transformar as instituições de ensino. 


Mas, Gustavo acredita que esse ponto vai muito além disso. A pandemia também mudou a forma como a sociedade se organiza e até mesmo a urbanização. 


“Não é que o ensino híbrido veio pra ficar, é que o trabalho híbrido veio pra ficar. O home office é uma realidade para muita gente, as famílias estão menores e mais distantes, os vizinhos estão separados por muros altos. O  que sobrou de ponto de conexão? A escola, ela tende a ocupar um espaço muito importante no nosso convívio social e acho que vai determinar movimentos urbanísticos, até mesmo escolas vão ditar para onde vão os bairros.”


Por isso, o ensino híbrido é tão essencial para entender o movimento que estamos fazendo como sociedade. Mas, ele deve agregar na aprendizagem. Hoje ele serviu de muleta para conseguir entregar a educação, mas agora precisamos caminhar para um ensino individualizado e trabalhar a inclusão. 


Baixe agora o ebook Ensino Híbrido

Sobre Gustavo Wigman


Gustavo Wigman atua no mercado de educação desde 2007 nos ramos de estratégia e finanças. Recentemente, tem auxiliado colégios no desenho e execução de suas estratégias de crescimento e é presidente do Instituto Vertere, ONG voltada para projetos de educação e empregabilidade, com forte atuação em projetos de Olimpíadas do conhecimento.


         
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *