Segundo semestre: uma análise do jeito de ser e fazerLeitura de 8 minutos

Gestão escolar 30 de julho de 2019

author:

Segundo semestre: uma análise do jeito de ser e fazerLeitura de 8 minutos

“Sem horas e sem dores,
Que nesse momento que cada um se encontra aqui e agora,
Um possa se encontrar no outro,
E o outro no um…
Até porque, tem horas que a gente se pergunta:
Por que é que não se junta
Tudo numa coisa só?”
(Sintaxe à Vontade – Teatro Mágico)

 

Por que é que não se junta tudo numa equipe só? 

Diariamente enfrentamos adversidades e perigos. Eles aparecem em formatos e intensidades diferentes. Alguns mais simples, outros mais complicados. Não há como não experimentar adversidades, mas há como encará-las com ousadia e ânimo. Gosto de lembrar o que Jesus disse aos seus seguidores: “tenham bom ânimo”. 

 

Se temos que experimentar adversidades, não há nada mais animador do que encará-las junto com outros que nos apoiarão e encorajarão. Caminhar sozinho é o primeiro passo para ruína. Como já nos contou Tom Jobim: “É impossível ser feliz sozinho”.

 

Na escola somos parte de uma equipe repleta de diferentes histórias, visões, crenças, objetivos, sonhos, formações… mas equipe. Equipe essa que foi capaz de realizar em um semestre letivo: 

 

aulas / tarefas / provas / correções / aconselhamentos / planejamentos / conversas e mais conversas / matrículas / inscrições / e-mails / compras / lanche / almoço / limpeza / manutenção / reuniões / contratações / negociações / eventos e tantas outras ações.

 

O primeiro semestre terminou, as férias proporcionaram o descanso merecido para que possamos voltar para um segundo semestre bastante movimentado (e com poucos feriados rsrs).

 

Nesse momento de pausa, quero lançar o desafio da análise do seu jeito de ser e fazer como pessoa, como membro da sua equipe e como colaborador na sua escola. 

 

Pense sobre isso: 
JEITO DE SER CASEIRO.
JEITO DE FAZER PROFISSIONAL.  

 

O SER deve:

 

  • Ser leve, de casa, familiar, confortável, sem pressão;
  • Ser cordial, respeitoso sem anular quem o outro é, mas também, sem permitir que o outro anule quem eu sou; 
  • Buscar conhecer as pessoas pelo nome, entender pedidos e solicitações fora dos padrões, sem permitir que os processos sejam desrespeitados, mas ser flexível com o momento, a fala e a realidade de cada um; 
  • Manter vivo os valores e cultura da nossa escola em cada palavra, atitude e decisão; 
  • Expressar o amor suave quando o abraço e afago for necessário, mas também deve expressar o amor firme quando a repreensão for necessária. 

 

No entanto, em uma instituição que preza pela qualidade, precisamos ter parâmetros profissionais estabelecidos e seguidos por todos.  

 

O FAZER deve:

 

  • Ser claro, fundamentado, objetivo, sem pesos ou medidas diferentes;
  • Não negociar a excelência, não se conformar com o ‘de qualquer jeito’, e nem se acomodar ao jeito de sempre. 
  • Ir além do que lhe disseram, apresentar novas perspectivas e até mesmo novos jeitos de fazer;
  • Valorizar e reconhecer o bom resultado do outro, se inspirar em boas ideias e pedir ajuda quando não consegue; 
  • Não concentrar a vitalidade da tarefa em si próprio, mas treinar outros para cooperarem; 
  • Ter segurança e saber apresentar argumentos válidos, e não somente achismos e desculpas sem fundamento; 
  • Evidenciar quem o realiza, engrandecer a instituição e ampliar o impacto na sociedade. 

 

Falando em jeito de ser e fazer, precisamos falar sobre as expectativas (e até cobrança) dos pais em relação ao nosso jeito. Os pais precisam da informação clara sobre como a escola funciona em todos os níveis. 

 

A falta de informação, ou clareza, contribui para surgimento de achismos e suposições de como a escola deve funcionar. Não podemos deixar lacunas quanto ao nosso jeito de fazer. Alguns podem não gostar ou não concordar, mas não vamos mudar, ou criar jeitos diferentes, para cada expectativa. Isso nos desconfigura como escola, como projeto, como equipe e nos faz uma espécie de Frankenstein. 

 

Entenda uma diferença aqui: quando digo que não vamos alterar o nosso jeito para atender a todas as expectativas, não estou dizendo que seremos inflexíveis e insensíveis às necessidades diferentes de aprendizado dos nosso alunos, por exemplo. O que estou afirmando aqui é: não vamos mudar o jeito de fazer da nossa escola apenas porque os pais se incomodam. Se acreditamos nele, teremos que defendê-lo e praticá-lo em um pleno alinhamento com a gestão da escola.  

 

Talvez você esteja pensando que isso vai afastar alguns. É provável, mas ao estabelecer nosso jeito de ser e fazer, e não o negociarmos, estamos transmitindo segurança, convicção e dando um recado: “sabemos onde queremos chegar e o que faremos para chegar lá. Se você acredita nisso, bem-vindo! Se não, sentiremos sua falta”.

 

Nosso objetivo, como escola, como um negócio com propósito não é oferecer conveniências, mas resultados. Ninguém melhor do que nós (em cada uma de nossas expertises) para saber como chegar aos resultados que gerem suporte e aprendizagem para o aluno.  

 

Como lidar com os responsáveis

 

Muitas vezes os pais não sabem o que querem porque não sabem o que podem (ou devem querer). Assim, devemos ouvi-los, respeitar seu ponto de vista, oferecer ajuda, reconhecer o erro (caso exista), mas por causa da convicção que temos em nosso jeito de “fazer profissional” apresentaremos a explicação e o fundamento, e indicaremos qual será nossa postura. O que não podemos, como escola, é permitir que uma pessoa que chegou com uma abordagem negativa, saia achando que tinha razão, se ela não tiver. 

 

Leia também: Relação família e escola: como melhorar?

 

Seja bom no que você faz, tenha certeza que fez a coisa certa, esteja seguro para apresentar isso e responder qualquer pergunta. A valorização do bom profissional começa na convicção dele sobre a excelência que emprega ao exercer seu trabalho. 

 

Da mesma forma que a gestão da escola, juntamente com toda a equipe, se posiciona sobre as expectativas e atuação dos pais, também deve se posicionar sobre a atuação e expectativas que tem sobre a equipe. 

 

Se você tem dúvida, sobre onde a escola quer chegar e o que fará para chegar lá, pergunte, questione, discorde, fale com sua coordenação ou direção, mas não jogue contra, não seja um murmurador, não cause celeuma, ou use descontentamentos para justificar mediocridade. 

 

Faça sua análise e se algo indicar que posturas precisam ser alinhadas e ajustadas, não espere o próximo ano para os ajustes. Acorde para um novo dia no segundo semestre. Faça o que for preciso para não nadar contra a maré da cultura em sua escola e equipe.

 

Faça um novo dia acontecer para você aí onde você está. Os dias passados tem o seu valor, entraram para história, produziram os frutos destinado àquele tempo. Agora, vamos em frente!

 

4 filtros para usar com a equipe no segundo semestre

 

Para esse novo dia, sugiro o uso de quatro filtros para tirar as impurezas da sua atitude diante e junto com a equipe:  

 

1 – Alegria

“A alegria é levada a sério no céu” (C.S. Lewis)
Alegria que se manifesta no respeito, na educação, no elogio, na ajuda, na cooperação. Essas atitudes proporcionam um ambiente onde não há puxada de tapete, onde ninguém cresce em detrimento do outro. Um ambiente assim não é construído só por quem lidera, mas por cada um que convive nele. Aquecer a alegria na sua escola através de um bom dia animador; de um “senti sua falta ontem”; de um “Parabéns pelo excelente trabalho!”. 

 

2 – Beleza

“A beleza é a melhor carta de recomendação” (Aristóteles)
Encante a todos com o que veem em você e em vocês como equipe. Encantar com a beleza do texto escrito, da sala limpa e arrumada, do uniforme padronizado, da maquiagem; do cabelo e barba cortados; da comunicação clara; do português bem falado e escrito. 

 

3 – Curiosidade

“A curiosidade atrai o conhecimento” 
Curiosos para pensar e saber mais sobre o que fazemos; Curiosos para entender mais nossos alunos e suas famílias; Curiosos para pesquisar, descobrir, conhecer.

 

4 – Inovação  

“Para obter algo que nunca teve, é preciso fazer algo que nunca fez”.
Sejamos dispostos a dar respostas diferentes para as perguntas de sempre. 
Um novo dia traz consigo recomeços e novas possibilidades. Volte para o segundo semestre aberto às novas possibilidades. Muitas pessoas viram um novo dia nascer quando tiveram a atitude correta e, assim, foram cheios de algo novo. 

 

Do que você precisa se encher nesse novo dia, nesse novo semestre? Junte-se à sua equipe, tornem-se uma coisa só e aí você será surpreendido com um novo dia.  

 

Jones Brandão
Head de Educação da Agenda Edu

 

2 comentários
  1. Eunice Simone

    Perfeita a reflexão, quantas maneiras maravilhosas de fazer a diferença. Gostei muito!

    • Agenda Edu

      Oi, Eunice. Ficamos felizes que você tenha gostado! Para não perder nenhuma das nossas dicas, continue acompanhando nosso blog. Forte abraço!💜

         
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *