A importância da participação dos pais na vida escolar do filho

Engajamento escolar
Leitura de 3 minutos
Por Luciana Brites – Psicopedagoga e psicomotricista, fundadora do Instituto Neurosaber.

 

Uma frase completamente verdadeira é a que diz que a educação dos filhos é uma tarefa conjunta entre pais e escolas. Em alguns casos, até mesmo a ajuda de um profissional da saúde é bem-vinda nesse processo.

 

É comum a gente ver pais culpando escolas ou escolas culpando pais pelo fato de a criança não estar indo bem nas tarefas da sala de aula. Ou porque a alfabetização não está sendo eficiente, ou mesmo porque a aprendizagem da criança está atrasada.

 

Eu costumo dizer que não existe culpado nesses casos. O que precisamos é fazer pais e escolas reconhecerem que o trabalho das duas partes é o que vai ajudar a criança a alcançar seu pleno potencial em sala de aula.

 

Onde entra a participação dos pais na vida escola do filho?

 

Eu diria que em um mundo perfeito, as escolas convidam os pais regularmente para avaliar a aprendizagem do filho. Se reúnem com os pais para discutir dificuldades, entender o avanço no desenvolvimento de habilidades, identificar possíveis atrasos, dentre outros assunto.

 

Mas sabemos que isso dificilmente acontece. O cenário que temos hoje é de escolas com uma visão individualizada e muitas vezes atrasada. E de pais que fazem transferência de responsabilidade de educação dos filhos (seja no âmbito do comportamento, desenvolvimento e aprendizagem).

 

“Matriculei meu filho na melhor escola não foi para eu ficar ensinando tarefa em casa. Pago caro para a criança estudar e ainda tenho que ajudar o professor a alfabetizar?”

 

Já perdi a conta de quantas vezes ouvi essas frases.

 

É imprescindível, no entanto, que os pais entendam que os estímulos trabalhados em casa, até mesmo aqueles aplicados logo nos primeiros anos de vida, é o que fará grande diferença no processo de desenvolvimento e aprendizagem da criança.

 

Uma simples atividade de contar os dedinhos, por exemplo, ajuda a criança nos primeiros anos de vida a adquirir uma percepção de contagem. Uma simples receita de bolo compartilhada com o filho apoia o desenvolvimento de processo e trabalho em equipe.

 

O interesse na vida escolar da criança é fundamental

 

A dica que eu deixo para os pais é: procure entender as tarefas que seu filho tem realizado na escola. Ajude ele a rever tudo em casa. Converse com o professor. Procure saber se a criança está tendo uma dificuldade de aprendizagem. Pergunte se o seu filho é agitado, ou se é tímido demais. Absorva tudo que a escola puder te passar de dados. Informe-se sobre a vida do seu filho.

 

Leia também: Como os responsáveis podem ajudar na lição de casa

 

Todo e qualquer ponto de dificuldade que é identificado precocemente pode abrir portas para uma intervenção multidisciplinar precoce. Acredite, o futuro do seu filho depende em parte da sua participação na vida escolar dele.  

 

A Neurosaber

 

Nós da Neurosaber somos um projeto que acredita na transformação de práticas profissionais e vivências familiares por meio do conhecimento. Já formamos mais de 10 mil profissionais e famílias, e trabalhamos todos os dias para levar conteúdo rico e com fundamentação científica para dentro de escolas, clínicas e casas.

Não estamos nessa missão sozinhos. Por isso contamos com parcerias como a Agenda Edu para disseminar essa mensagem de transformação, e agregar ainda mais valor ao conhecimento científico. Você leitor, poderá conferir artigos escritos pela Neurosaber aqui na Agenda Edu e em nosso blog.

Veja mais!

A influência positiva da família na vida escolar das crianças
161
Por Yuska Garcia, psicóloga e mestra em Educação.   Nossa parceira Yuska Garcia, compartilha sua visão sobre a importância da parceria entre ...
O papel dos pais e responsáveis no uso das tecnologias
722
Costumamos dizer por aqui que educação é um processo misto, que compreende todas as práticas vistas em casa, na escola, na sociedade como um todo. É u...
Sua escola entende os processos de Neuroaprendizagem?
407
  Por Luciana Brites – Psicopedagoga e psicomotricista, fundadora do Instituto Neurosaber.    Educar é muito mais que ensinar...