Renovando a educação com ferramentas e educadores tecnológicos

Leitura de 3 minutos

Lousas digitais, computadores de última geração e diversas ferramentas digitais para tornar as aulas mais interativas. Esses são pontos constantemente abordados quando falamos de uma reinvenção na educação. Mas quantos professores e educadores realmente conhecem essas ferramentas e as utilizam?

 

Surfar nas tendências de renovar a educação e trazer elementos tecnológicos para promover mais interesse nos alunos é a aposta de muitas escolas e elas estão corretas. Mas é importante que esses gadgets não estejam ali só para serem demonstrados durante o período de matrículas e esquecidos durante o ano letivo.

 

A mudança vem de dentro

Nós todos sabemos que, algumas vezes, mudar dói. É difícil se adaptar com algo que não estava ali antes. Mas estamos o tempo todo fazendo isso em nossa vida pessoal. Devemos trazer essas adaptações também às práticas pedagógicas.

 

Essa mudança para tornar a educação mais interativa e criativa não reside exclusivamente na presença de ferramentas. É indispensável para a renovação da educação, a capacitação dos educadores. Tornando-os educadores tecnológicos, capazes de utilizar as mais diversas ferramentas digitais.

 

Um exemplo claro da importância da capacitação é fato de ser bem comum que professores pautem suas aulas entre o quadro branco e o uso de algum material digital projetado, sem explorar as demais possibilidades que apenas um notebook já oferece. Ao se falar em ferramentas mais modernas como a lousa digital, o cenário fica ainda mais complicado. É comum que os professores prefiram distância, pois não sabem manejar o equipamento e chegam a ter medo de danificá-lo.

 

Implantando tecnologias e capacitando os profissionais

Para que as mudanças não sejam encaradas com medo e aversão, é importante que todos os envolvidos que terão as rotinas modificadas com a mudança sejam consultados e decidam juntos como realizar os processos de transição. Caso seja uma ferramenta mais complexa, é interessante estimular a tentativa de uso e falar sobre as boas práticas. Sempre que possível, fazer momentos de reciclagem e aprendizagem, com outros profissionais que já utilizam e que podem dividir situações interessantes e problemas que foram resolvidos durante a utilização.

 

Acreditamos ser papel fundamental da escola a renovação da educação e a adaptação dela para os tempos em que vivemos. Porém entendemos que ela não será feita só pelas ferramentas, mas pelo estímulo e capacitação dos educadores para que eles se tornem educadores tecnológicos e consigam trazer novas possibilidades para as salas de aula que habitam.

 

Com a presença de educadores preparados para utilizar as ferramentas tecnológicas, todos saem ganhando. As escolas conseguem ter um argumento real de captação e retenção de alunos durante todo o ano letivo. Os educadores conseguirão alcançar e se comunicar melhor com os alunos. Por fim, os alunos terão uma aula diferenciada e tão interessante quanto os demais estímulos que eles recebem diariamente.

 

Dessa forma, é fácil entender que a mudança na educação é muito menos sobre grandes investimentos em ferramentas. Ela depende bem mais da mudança de pensamento e da vontade de trazer uma experiência diferenciada de educação para todos os atores da jornada educacional. Vamos juntos nessa mudança?

Veja mais!

Autismo, escola e pais: como unir forças para realizar a inclusão?
178
Por Luciana Brites Psicopedagoga e psicomotricista, fundadora do Instituto Neurosaber   Falar sobre inclusão escolar é sempre um desafio par...
O papel do Orientador Educacional nas escolas
2018
04 de dezembro é comemorado o dia do Orientador Educacional, mas o que é e o que faz esse profissional? Conheça um pouco mais sobre a jornada desse im...
Processos financeiros na gestão escolar: como otimizá-los
167
Organização e boas ferramentas tecnológicas são essenciais para que os processos financeiros sejam otimizados na gestão escolar.   Para promo...